terça-feira, 21 de junho de 2011

Olhos que calam




As letras dentro de mim estavam


desassossegadas

Perdiam-se em labirintos sentimentais...

Dormiam, hora ou outra, feito folhas caídas

Nas asas estacionadas da inspiração

Não escrevo, tusso as palavras

Escrevinhando a paixão perdida nas letras

Sonho atroz de um pescador vagabundo
      
Veleiro na tempestade sagaz de olhos que


 choram

Olhos que soluçam... Gritam...

Pronunciam – Amo-te.

Em meio ao desespero, as letras gemem...

Querem-te!

Bebendo a safra toda em teu cálice

A avelã pronta para ser engolida...

Alma minha, encontra-te... Escrevinho...

Minha alma te toca... Inspiro...

Esqueci meus olhos em tuas retinas...

Esqueci o bom senso em tua perversão...

Esqueci as palavras... Emudeceram

Cessou a inspiração...

Calou a escrevinhação...

Teus olhos prenderam meus passos...

Bebeu todo o meu vinho...

Pisou em minha safra...

Comeu minha avelã...

Sossegou as letras...

Arrancou o meu coração.
  

Texto e criação de Adriana Vargas de Aguiar, ao utilizar este texto, por favor, não se esqueça de mencionar a autoria.

Um comentário:

blog. da Tereza Maria disse...

"Perdi meus olhos em sua retina"
Amei todo o texto, mas essa frase é muito sublime.
Voltarei com mais tempo para me deliciar nesse seu universo de poesia.
Beijo na alma
Saudações Poéticas!

Postar um comentário

Seja bem-vindo!
O sucesso deste blog depende de sua participação.
Comente!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...