segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Recordação


Olá, queridos autores, leitores e blogueiros seguidores. O mês de outubro está chegando e com ele a festa das crianças. Vamos entrar no clima com o poema recordação que fala da saudade que tenho da criança que um dia fui, tão esperta e viva do jeito que só ela sabia ser. Saudades...

Recordação

Recordo-me,
com amor,
a doce criança que fui.


Sagaz,
esperta,
calada,
modesta.

Tão perto e tão longe,
de um eu.

O ser humano indivisível,
é esfacelado por si próprio.



Autora da Postagem Francilangela 


Hoje vamos conhecer a Cristina Reis, uma pessoa de muitas atividades e antenada com o mundo.

 
Cristina Reis 52 anos, é jornalista,trabalhou em jornais no RJ,
com assessoria de imprensa de prefeitos e políticos na
Região serrana,e atualmente empresaria,designer de flores artificiais,
Tem um Atelier na região serrana onde produz flores para
Casamentos e festas.Apreciadora Das artes, do belo, e das boas amizades.


Seu texto, Cerne:

Cerne
Pensei que minha casca ficaria lisinha como eu era
descobri que a medida que o tempo passa,
que as dores da vida vão fazendo
com que minha casca fique mais dura,
mais resistente,
mais protegida fico das coisas do mundo.
Mas continuo ali,dentro,
existindo.
E meu perfume é inexprimível,
tem cheiro de seiva,
de gotas de orvalho misturadas a luz da lua,
 ao calor do sol.
Esse é meu cheiro.
De canela,
de iguarias,
de alegrias e de tristezas.
Continuo cerne pela vida a fora,
apesar de pensarem que não passo de uma árvore antiga.
E como as árvores mais jovens,
um dia pensei
que nunca ficaria assim com a casca enrugada,
e cheia de deformações.
Eu sou o Cerne da Vida,
 e como em todas as árvores,
permaneço encoberto
até que alguem me descubra
Cerne.

Cristina Reis
cristinareis_rj@hotmail.com
http://www.facebook.com/profile.php?id=100001529220546

Recebemos também mais um texto do Paulo Victor:



                                          Cerveja, cigarro e derrota.
                             EU, enganado por meu ego.
O veneno é bom  no começo, penetra na minha mente e me fez criar um inimigo que não existe, assim crio manobras, maneiras imediatas ou longas de suprir defeitos e exaltar qualidades, olhos vidrados, frios e sem movimento, achando eu que estava na posição certa e tinha todos motivos, ao menos motivos meus pra ser egoísta e taciturno. Pórem no fim me sinto acuado, fraco e só, perdi a batalha que nem existia, criei um exército de desculpas pra me seguir e me sentir seguro na minha podre guerra.
 As dores começaram tal rapidas como o ato de respirar, raiva, volúpia e orgulhoso me tomaram e formaram um coquetel perigoso na minha mente  tão gasta e já frágil,eu não sei porque criei esse meu satã pessoal, talvez insegurança e medo, talvez um senso de heroismo vagabundo e clichê, a estrada dos tijolos amarelos se abriu sob meus pés, perdi a busca por meu coração deixando meu ego engasgado na garganta, chorar não vai adiantar, machucar algo? Só a mim já bastou, na tormenta de sentimentos tenebrosos e arredios, eu perdi meu amor que nem sequer sabia que me consumia e a aurora de um belo dia.
Talvez jogar minha cabeça contra um espelho e encontrar um face no vidro partido faça parte de uma busca, amigos em vermelho, sombras e pó, desculpas e sapatos novos, talvez um porre de loucura e tequila, diamante roxo e louco que é meu ser sensato e isolado na sombra de árvore sem flores ou frutos, descansando na penumbra de um dia que custa acabar...Quem sou pra falar de mim? Quem sou eu pra julgar sequer um traço de injustiça? Um palhaço que sinta de piadas e sarcamo adulto num mundo de crianças sem dejesos ou glórias..Eu sou oq não quero ser mais, de agora e sempre eu não vou ser so mais um humano, eu quero ser uma unidade, eu quero minha voz na minha cabeça, quero a minha aurora branca e quero meu exército de um homem só.
 
 Paulo Victor

Gente:

O Itaú está novamente enviando livros infantis, como no ano passado. Clique no link abaixo e solicite o seu. São ótimos.

http://www.itau.com.br/itaucrianca

Não deixe de pedir a sua. Até segunda, se Deus quiser.

Beijos:

Fran
Texto e criação do autor, ao utilizar este texto, por favor, não se esqueça de mencionar a autoria.

15 comentários:

SOL da Esteva disse...

Adriana

Qualquer dos textos tem "miolo" e, além da sua didáctica, têm o seu valor literário.
Boas escolhas

Beijos

SOL

Vieira Calado disse...

Bom dia!

Não conhecia o blog.

Achei-o interessante e variado.

Saudações poéticas.

♫*Isa Mar disse...

Oi Franci, muito lindas as poesias, passando pra te desejar uma ótima semana, beijos

Wagner Lira disse...

Como é bom ser criança!Que tempo bom que não volta nunca mais, mas que se pode viver todos os dias... Tenham uma otima tarde!!!!!!

Julia G disse...

Ótimo post, os textos trazem assuntos tão diferentes e reflexões mais diversas ainda.

Beijinhos a todos os autores ;D

AC disse...

Há saudades, como as da infância, que têm o condão de sustentar o nosso edifício...

Bj

Juju Porcino Loureiro disse...

"Recordo-me, com amor, a doce criança que fui."
MUITO LEGAL!!!PARABÉNS PELA POSTAGEM...
“tenho medo de tornar-me adulta demais: eu perderia um dos prazeres do que é um jogo infantil, do que tantas vezes é uma alegria pura. “ GRANDE CLARICE!!!
EU NÃO QUERO PERDER, NUNCAAAA, A CRIANÇA QUE MORA EM MIM!
BEIJOS E FIQUE COM DEUS!!!

manuela barroso disse...

Uma visita de apresentação a convite da Adriana que agradeço.
E aproveito para lhe dizer,Adriana, que não consigo postar comentários no seu blog...
Os que têm esse formato de comentários, estão a não deixar seguir. Foi por isso que mudei o meu...Aqui, com este formato já se consegue...
Gostei.Vou voltar sim
Abraço

Phann disse...

Super fofo ficou aqui, parabéns, beijos beijos

Os Devaneios de Quimera |g* disse...

A melhor parte de mim, é a criança que cresceu comigo e mesmo assim, permanece doce, sutil, infante!

=)

Abraço fraterno!

Amandio disse...

lembro-me quando criança brincava de bola!
Uma meia cheia de pano e as barras eram os chinelos, eu fazia os meus brinquedos...
E bom sempre ser criança
Valeu Franci!
Um super abraço
Amandio Sales

Fernando Soares disse...

O cerne do ser adulto, maduro, sofrido – árvore antiga – é a criança que um dia fomos, ainda somos e nunca deixaremos de ser. Alma, seiva, essência do ser que, se deixar de circular em nós, nos fará morrer ainda em vida.
Brilhante a combinação dos poemas Recordação e Cerne!
A “egotrip” do Paulo Victor completou bem o post.

Amapola disse...

Boa tarde.

Eu também me recordo com amor.

Estou lhe seguindo.
Maria Auxiliadora (Amapola)

Um grande abraço.

Vitrine de Promoções disse...

EU QUERO PARTICIPAR DA PROMOÇÃO SIGA E CONCORRA"

Seremos sempre a eterna criança.

Grande Beijo
Irene Moreira

Irene Moreira disse...

EU QUERO PARTICIPAR DA PROMOÇÃO SIGA E CONCORRA"

Todos temos sempre vivos dentro de nós o nosso lado de criança.
Tenho dois blogs: um é a M@myrene que escrevo os meus contos e poemas que sou eu e meus sentimentso que preciso colocar para fora.

A vitrine de sonhos já é o meu lado criança em sua maioria.

Recordação me trouxe a vontade de recordar e deixo aqui um poema meu, postado aqui:
http://avitrinedesonhos.blogspot.com/2010/09/sonho-que-ainda-sou-menina.html

Sonho que ainda sou menina
Que brinca com a florzinha
Tirada com carinho do jardim
Com cheirinho de jasmim.

Sonho que ainda sou menina
Usando um vestido com rendinha
Com meus cabelos com trancinha
Com chapéu que fico mimosa.

Sonho que ainda sou menina
Aprendendo a ser uma mulher
Conhecendo a vontade de amar
Querendo sozinha caminhar.

Sonho que ainda sou menina
E que mulher me tornei
Que muitos sonhos realizei
Como mãe me senti rainha.

Autoria *Irene Moreira*

Beijinhos

Postar um comentário

Seja bem-vindo!
O sucesso deste blog depende de sua participação.
Comente!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...