quarta-feira, 1 de maio de 2013

A REAL DAS EDITORAS/IMPRESSORAS POR DEMANDA (PARTE II)


No tópico anterior, aprendemos sobre as editoras por demanda sob a ótica delas. Os serviços prestados pelas mesmas são excelentes, porém tem um custo que não é barato. Iremos aprender como não sair como paspalho ao comparar os seus serviços.
Existem editoras por demanda que são iguais o Mc Donalds: te tratam bem até você pagar o sanduíche. Já vi situações em que o cliente pagou à vista, com desconto de 10% (na verdade, o serviço era mais caro e a proposta do desconto foi pegadinha comercial) e depois ficou a mercê do tempo deles, onde atrasavam uma série de serviços, como revisão, diagramação, entre outras coisas. Imagine o prejuízo se o autor já programou o lançamento? Portanto seja esperto e além do contrato, tenha mais controle da situação, parcelando o valor no cartão de crédito.
Desta forma, você pode ter mais controle da situação; não deixe que te dominem com atrasos de serviços. Parcele no cartão de crédito e assim, prestadora e cliente estarão de igual para igual.

Todo escritor também é revisor, porque ele lê e escreve muito. Depois de terminar o seu livro, revise, no mínimo duas vezes. Use revisor do Word e não acredite que precise pagar pela revisão e nem aceite. O seu livro pode voltar com erros e distorções na linguagem, simplesmente porque o revisor somente corrigiu palavras, sem se importar com a linguagem da obra e intenção da linguagem dos personagens.
Aprenda a diagramar o seu livro no Adobe, ou outro programa de diagramação. Muitas editoras por demanda pedem para que envie a sua obra editada no Word com lauda 12 e em formato A4 (para assim poder incluir a taxa do serviço de diagramação). Portanto envie, ressaltando que a sua obra já está revisada e diagramada.
Aprenda a usar o Corel Draw, Photoshop ou então pague um amigo para que faça a sua capa. Você pode negociar várias capas de uma vez com uma pechincha. Registrar sua obra (no Escritório de Direitos Autorais) e fazer solicitação de ISBN (na Biblioteca Nacional), Código de Barras (serviço terceirizado) e ficha catalográfica (na Câmara Brasileira do Livro) não são serviços caros e podem ser feitos pelo Correio e internet. Você pode simplesmente realizar toda a construção do livro e apenas contratar o serviço de impressão por demanda somente para imprimí-los em quantidades menores.
Pesquise antes o custo dos serviços de impressão. Se for em sua região, melhor ainda. Fazendo minhas pesquisas, descobri duas gráficas, que inclusive, prestavam serviços para editoras por demanda. Curioso, não? Por que então você mesmo não se tornar o seu próprio editor por demanda?

Ao encontrar uma editora/gráfica, cujo preço de custo do livro fique em conta (o
custo é calculado pelo número de páginas. Um livro 14x21 cm de até 100 páginas com capa colorida (Supremo 250g) com orelhas (7 cm) e miolo preto e branco (offset 75g) fica em média entre R$ 9 e R$ 12 por unidade. Negocie uma quantidade razoável, que lhe permita (no mínimo) ter o valor do investimento de volta. Cinquenta cópias é o essencial. Leve a metade para vender no lançamento e use a outra metade (com o restante dos livros que não vendeu no evento) para anunciar no seu blog.
Não espere sentado pelas vendas no site da editora por demanda. Movimente você mesmo suas vendas, colocando promoções, marcadores inclusos, além de sorteios periódicos (pelo menos um por mês).
Dos cinquentas livros, você vendendo a metade, você já terá o investimento de
volta! O resto é lucro, que você pode destinar para a encomenda de mais exemplares, ou então para o investimento de novos títulos. Um escritor precisa ter novidades e manter o seu pequeno público interessado em acompanhá-lo.
As editoras por demanda querem que você venda por elas. Então saiba dosar da melhor forma, contratando apenas os serviços que lhe interessam. Vocês dois trabalharão de forma justa, honesta e sem ilusões e falsas expectativas.

Piada básica: Um cidadão encontra o seu amigo que havia se tornado escritor:
- Como vai, meu amigo? Como está sua carreira literária? Vendendo muitos livros?
- Vou bem! Já vendi quase tudo.
- É mesmo? Quase tudo?
- Isso mesmo! Já vendi, o carro, a moto, o computador... quase tudo.


Aguardem a continuação...

Leo Vieira é autor do livro "Alecognição", pela Editora Lexia.
Escritor acadêmico em 30 Academias e Associações literárias; ator; professor; Comendador; Delegado Cultural em duas cidades e Doutor em Teologia e Literatura.


5 comentários:

Marli Carmen disse...

Eu adorei.
Muito bom!!!

Leo Vieira disse...

Obrigado, Marli. Fique à vontade para comentar e compartilhar.

Raquel Nonato da Silva Lisboa disse...

Eu adorei suas dicas... Também conheço várias pessoas vítimas de editoras sob demanda, que prometeram TUDO e no final das contas ofereceram NADA pelos serviços acordados. Amei a sua sugestão para novos autores de contratar serviços de uma gráfica... Com certeza os livros sairão num preço mais acessível para todos e o sonho do reconhecimento não se tornará tão distante. Muito obrigada por compartilhar essas informações conosco!

Leo Vieira disse...

Obrigado pelo comentário, Raquel. Não custa nada o escritor se empenhar mais para aprender a fazer serviços gráficos. As gráficas até gostam quando um cliente cria vínculo e farão de tudo para facilitá-lo. Imagine um cliente que já leva a arte toda pronta, somente faltando imprimir? As gráficas até farão preços especiais para quantidades menores, porque saberá que o autor voltará com novos pedidos e novos livros.

Alessandra Angelo - Primavera Revisão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.

Postar um comentário

Seja bem-vindo!
O sucesso deste blog depende de sua participação.
Comente!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...