terça-feira, 12 de julho de 2011

MEU EGO E EU...





O nada é tão importante a mim, quanto a complexidade do tudo.
O nada neutraliza- me; um autêntico amortecedor em escapulidas e subterfúgios quando o "tudo" a minha volta passou a ser sacerdotemente o meu algoz. Tudo me irrita...
Vejo o nada entre o vão dos meus dedos dos pés... "Vejo-o!" Imaginando-o estar em algum lugar; o simples fato de não existir, já existe... Teimando. O ego me atormenta a alma, tentando convencer de que o tudo, é tudo que preciso, quando a miséria da aceitação em si, já me regojiza por completo.
Sentamos, o ego e eu, de frente ao espelho, e inicia-se o interrogatório na tentativa de tornar-me tentado a tudo, e assim, deseja alimentar-me em grandes proporções:


(ego) --- Sentes dor?
 (eu) --- nada!
(ego) --- Tens culpa?
(eu)  --- nada!
(ego) ---Tens arrependimento?
(eu) --- nada!
(ego) ---Alguma doença? 
(eu) --- nada!
(ego) --- Alguma dívida? 
(eu) --- nada!
(ego) --- Dúvida? 
(eu) --- nada!
(ego) --- Traições?
(eu) --- nada!
(ego) --- Ódio? 
(eu) --- nada!
(ego) --- Quer morrer? 
(eu) --- nada!
(ego) --- Sente falta de amigos? 
(eu) --- nada!
(ego) --- De um grande amor? 
(eu) --- nada!
(ego) --- Sente fome? 
(eu) --- nada!


(ego) --- O que é que você tem então, que desde ontem não fala com ninguém?
 (eu) --- nada!
(ego) --- Quer saber como eu me sinto?
 (eu)--- nada???



(ego) --- Senti alguma dor ontem; mescla de culpa com arrependimento; talvez estivesse doente e não pude perceber que me endividara tão cruelmente com o meu caráter, que todas as dúvidas, acrescidas do medo e insegurança, molestavam minha imaginação em intermináveis traições vindas de um lugar onde se encontra o fantasma do ciúmes... Senti ódio... O inicio de um suicídio que me levaria a uma morte lenta e cruel; sofrendo pela falta de amigos, e pela fome sedente de um grande amor, Incomoda-me o silêncio mudo e surdo, no desejo contido de falar até amanhecer o dia... Queria apenas dizer como me sinto.

(eu) --- Se eu tivesse respondido sim, a todas as suas perguntas, certamente estaria me sentindo como você.






Texto e criação de Adriana Vargas de Aguiar, ao utilizar este texto, por favor, não se esqueça de mencionar a autoria.

8 comentários:

Um brasileiro disse...

OI. TUDO BLZ? ESTIVE AQUI. MUITO LEGAL. APAREÇA POR LA. ABRAÇOS.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

gostei da mistura da prosa e da poesia

Gláu disse...

como sempre mandando muito bem na escrita...

Alexandre Henrique disse...

É mesmo.. o caminho do self, é um caminho de segredos e mistérios que se fidam, no outro. Coragem sua encarar o ego na sua página literária.
Um amigo me apresentou teu blog uma vez, achei super interessante. Parabéns pelos livros e pela página,Drisph.

Paulo Cesar PC disse...

Gostei! É preciso ficar atento e saber interpretar oque está sendo descrito. Grande abraço.

Lilá(s) disse...

Brincando com as palavras, fazem-se maravilhas!
Perfeito!
Bjs

Ana Claudia disse...

Você encanta mesmo quando brinca com as palavras, quando brinca com nossa imaginação. Sempre me faz parar, pensar e ver a vida de uma outra forma.

Adorei!

Ana Claudia disse...

Ah! Olhando o seu perfil novamente, amore, to mais encantada ainda! Você é do signo de capricórnio, admiro demais as pessoas deste signo, o equilíbrio a generosidade, amizade, ai tanta coisa... a sintonia é imediata e meu filho é deste signo.

Beijos

Postar um comentário

Seja bem-vindo!
O sucesso deste blog depende de sua participação.
Comente!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...