domingo, 29 de julho de 2012

KAFKA E OS COMERCIAIS

Eu adoro assistir à alguns comerciais. Muitas vezes eles acabam sendo melhores que a própria programação. Um de meus prediletos é esse do Cachorro-Peixe. Achei a idéia super criativa. Imagino que tenha sido um comercial de bastante sucesso por que vi muitas pessoas comentando-o e logo depois foi criado outro no gênero com a Ovelha-Nuvem. Um dia desses, no entanto, estava lendo um conto de Franz Kafka (aquele que acordou um dia transformado em uma barata) e percebi que o velho ditado "Nada se cria, tudo se copia" é de fato verdadeiro. O que acham?

"Tenho um animal curioso, metade gatinho, metade cordeiro. É uma herança de meu pai. Em meu poder ele se desenvolveu por completo: antes era mais cordeiro que gato. Agora é meio a meio. Do gato tem a cabeça e as unhas, do cordeiro o tamanho e as formas; de ambos, os olhos, que são esquivos e faiscantes, a pele suave e ajustada ao corpo, os movimentos ao mesmo tempo dançarinos e furtivos. Deitado ao sol, no vão da janela, vira um novelo e ronrona; no campo corre como louco e ninguém o alcança. Foge dos gatos e quer atacar os cordeiros. Nas noites de lua, seu passeio favorito é a canaleta do telhado. Não sabe miar e tem horror de ratos. Passa horas e horas de tocaia diante do galinheiro, mas jamais cometeu um assassinato.

"Alimento-o com leite; é o que lhe cai melhor. Sorve o leite em grandes goles entre seus dentes de animal de rapina. Naturalmente é um grande espetáculo para as crianças. A hora da visita é aos domingos pela manhã. Sento-me com o anmal sobre os joelhos, e todas as crianças da vizinhança me rodeiam.

"Formulam-se então as perguntas mais extraordinárias, que nenhum ser humano pode responder: por que existe só um animal assim, por que seu possuidor sou eu e não outro, será que antes ja houve um animal semelhante, e o que acontecerá depois de sua morte, será que se sente só, por que não tem filhos, como se chama etc. Não me dou ao trabalho de responder; limito-me a exibir minha propriedade, sem maiores explicações. Às vezes as crianças trazem gatos; uma vez chegaram a trazer dois cordeiros. Contrariando suas esperanças, não se produziram cenas de reconhecimento. Os animais se olharam com mansidão com seus olhos animais e se aceitaram mutualmente como um fato divino. Sobre meus joelhos, o animal ignora o temor e o impulso de perseguir. Aninhado contra mim, é como melhor se sente. Apega-se à família que o criou. Essa fidelidade não é extraordinária; é o reto instinto de um animal que, embora tenha na Terra inúmeros laços políticos, não tem um único consangüíneo, e para quem o apio que encontrou em nós é sagrado.

"Às vezes tenho de rir quando ele resfolega ao meu redor, enreda-se nas minhas pernas e não quer se afastar de mim. Como se não lhe bastasse ser gato e cordeiro, também quer ser cachorro. Uma vez - isso acontece com qualquer um - eu não via como sair de dificuldades econômicas, estava a ponto de acabar com tudo. Com essa idéia na cabeça, me embalava na poltrona de meu quarto com o animal sobre os joelhos; tive a idéia de baixar os olhos e vi lágrimas gotejando sobre seus grandes bigodes. Eram dele ou eram minhas? Será que esse gato com alma de cordeiro tem o orgulho de um homem? Não herdei muita coisa de meu pai, mas vale a pena cuidar desse legado.

"Tem a inquietude dos dois, do gato e do cordeiro, embora sejam inquietudes muito diferentes. Por isso seu couro o aperta. Às vezes salta para a poltrona, apóia as patas da frente em meu ombro e aproxima o focinho do meu ouvido. É como se falasse comigo, e de fato vira a cabeça e me olha respeitoso para observar o efeito de sua comunicação. Para agradá-lo, faço de conta que entendi e movo a cabeça. Ele salta para o chão e brinca ao meu redor.

"Talvez a faca do açougueiro fosse a redenção para esse animal, mas devo recusá-la porque ele é uma herança. Por isso terá de esperar até que seu alento acabe, embora às vezes me olhe com razoáveis olhos humanos, que me instigam ao ato razoável.

Franz Kafka

<iframe width="420" height="315" src="http://www.youtube.com/embed/wB-2_rO6n1Y" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>
<iframe width="560" height="315" src="http://www.youtube.com/embed/bV8_BT-k4MQ" frameborder="0" allowfullscreen></iframe>

5 comentários:

renatocinema disse...

Seu texto é inspiração pura. Citar Franz Kafka foi genial, como alguns bons comerciais.

Abs

Gislene Vieira de Lima disse...

Obrigada pelas palavras Renato. E você, já viu algum comercial que tivesse inspiração na literatura?

Leonel disse...

Bela descoberta!
Eu não desconfiava que Kafka tinha inspirado este comercial, que eu achava meio despropositado!
Agora se explica a aparente incoerência.
Mais uma aplicação do princípio de Lavoisier...
Abraços!

J.C.Hesse disse...

Pois é querida, para um bom entendedor, um pingo é letra. Quando a mente é criadora, o corpo é fantasia e o mundo um solo fértil.
Abraços,
J.C.Hesse

Lorde Canhoto disse...

Kafka é para poucos , e você o percebe muito bem ...!
Muito bacana seu blog.

Abraços!

Postar um comentário

Seja bem-vindo!
O sucesso deste blog depende de sua participação.
Comente!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...