segunda-feira, 8 de outubro de 2012

O Escudo


              Embora uma arma de defesa, o escudo sempre foi considerado uma arma de vital importância. Assistimos filmes passados em épocas antigas e junto com as espadas e machados notamos a força do escudo. Sim,  precisamos nos defender quando estamos em batalha.

Mas e quando esta batalha é a vida? Quando estamos armados até o topo da cabeça com uma armadura pesada e mais um escudo em nossos braços bem a frente de nosso coração, impedindo que se machuque ou mesmo que se abra?

Não falo aqui só no coração aberto para viver uma relação afetiva, enamorar-se, apaixonar-se. Isto também, mas falo de uma forma mais ampla. Falo do escudo que nos protege de tudo aquilo que no fundo queremos ser e viver. Falo do escudo que nos dá a sensação de uma vida tranquila e segura e da qual temos total controle, mas que não nos permite ousar. Falo do escudo que não nos deixa entrarmos em contato com aquilo que mais tememos em nós, pois achamos que evoluímos,  passamos para um outro patamar, e certos sentimentos não mais nos pertencem. Falo de um escudo que nos impede de vivermos as experiências da vida e com elas podermos nos conhecer melhor, mesmo não gostando das partes sombrias, mesquinhas e sórdidas que julgamos não ter mais enquanto sustentamos em nossa frente o poderoso escudo de proteção.
Proteção de quê? -eu me pergunto! Proteção das ilusões que criamos de nós mesmos? Proteção da nossa tranquilidade e por consequência da nossa passividade? Proteção de nosso ego, exprimido, arrogante e frágil?

Pois na vida, verdadeiro guerreiro é aquele que corre nu pela floresta sombria. Verdadeiro guerreiro é aquele que sente em suas mãos apenas a carícia do vento. Verdadeiro guerreiro é aquele que conhece o inimigo quando este realmente se apresenta desafiando-o. Verdadeiro guerreiro é aquele que sabe que cada desafio é uma oportunidade de aprimoramento e crescimento. Verdadeiro guerreiro é aquele que almejamos ser, julgamos ser, mas na verdade quase nunca somos; pois o verdadeiro guerreiro vai à luta, se expande, se permite, se entrega e não fica apenas sentado em um trono.

Queremos realmente comungar com a vida? Queremos realmente nos conhecer? Então precisamos estar cientes que também iremos conhecer  nossas  partes desagradáveis, inseguras, e medíocres. Porém só assim nos veremos inteiros! Para isto sugiro que penduremos o nosso “poderoso” escudo em nossa parede - com certeza ele servirá de uma bela decoração – e saiamos porta afora, rumo à vida, rumo ao desconhecido, de peito aberto, sem armas nas mãos, apenas com a coragem no coração, e quem sabe, entoando uma singela oração!

Por Anna Leão. Todos os direitos reservados.

3 comentários:

renatocinema disse...

Eu serei sincero......sempre estou de escudo.

J.C.Hesse disse...

Tem toda razão Anna, só expostos aprendemos a criar os anticorpos necessários à vida. Claro que não precisamos sofrer, para aprender, mas é importante saber, que quanto maior o escudo, menos se pode ver à frente.
Abraços.
J.C.Hesse

Anna Leão disse...

Isso mesmo, Hesse, "quanto maior o escudo, menos se pode ver à frente." Pense nisto, Renato!
Abraço aos dois!

Anna
www.annaleao.com.br

Postar um comentário

Seja bem-vindo!
O sucesso deste blog depende de sua participação.
Comente!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...